domingo, 12 de junho de 2016

ANÁLISE DA VOZ (Grupo Tróia-Sem Querer) e (Wesley Safadão-Camarote)

Na realidade não quero analisar a voz de todos do grupo, somente a do pequeno de onze anos de idade. Depois de ver uma partição do Grupo Tróia ao vivo no Vídeo Show que insistiu em deixar essa criança berrar no ouvido da gente até o final do programa, eu fiquei muito preocupada com a saúde vocal desse garoto. Eu tenho vergonha alheia, e nesse dia eu fiquei com vergonha e morta de preocupação com esse menino.

Apesar dele ter apenas onze anos, já está mudando de voz, não consegui entender porque ele grita tanto quando canta, então fui procurar na internet sobre o início de sua carreira, cheguei num vídeo onde ele canta com o Cristiano Araújo, não dá pra saber quem berra mais no vídeo. Então, pude perceber que essa voz cheia de Drive (o famoso rasgado na voz) que esse pequeno produz, é uma imitação horrorosa do falecido cantor e muito prejudicial para suas cordas vocais.

Analisando seu timbre, dá pra perceber que já há um excesso de soprosidade e também muita nasalidade, principalmente nas notas agudas, recurso muito usado pelos cantores que não conseguem produzir notas muito agudas, então eles usam da ressonância nasal (Seio Nasal) para conseguirem atingir notas cada vez mais agudas. O perigo dessa região de ressonância, é que sem perceber o cantor vai anasalando cada vez mais sua voz, e por consequência, começa a esganiçar o som, e também hiper contrair a região laringe, vício extremamente perigoso, pois pode causar fenda-glótica e calo nas cordas vocais.

Esse menino precisa urgentemente de um bom professor de canto que corrija sua empostação vocal, retire esse excesso de nasalidade que está lhe roubando o volume de sua voz, e acima de tudo, ache sua região de conforto (Tessitura Vocal) para que ele perceba que sua voz não é mais a mesma, mas permanece grandiosa, claro, que se achar sua região de conforto, para que ele perceba que sua voz está crescendo para a região grave, ou seja, ele precisa aprender a empostar sua voz no peito (Osso Externo), e também possa lhe ensinar as técnicas existente para se produzir o Drive sem agredir seu aparelho vocal.

Deixando de lado o menino berrador, que não tocou o agogô , quero agora me deliciar analisando um cantor maravilhoso em todos os sentidos. Talvez, eu só não vá me derreter mais do que quando analisei a voz do Vitor da dupla Vitor e Léo. Wesley Safadão é um cantor que além de lindo, tem um timbre vocal magnífico -não quero nem falar nos seus olhos azuis-, sua voz é muito bem empostada, afinada e uma delícia de ouvir.

Gosto do vibrato (o famoso tremido na voz) que ele põe somente nos finais das frases, diferente de outros cantores que exageram tanto na quantidade de vibrato, que a gente nem consegue entender o eles cantam. Já o Wesley Safadão parece saber exatamente o que está fazendo, se é técnica não sei, se não for, com certeza ele possui o que chamamos de musicalidade inata, pois parece que ele sabe exatamente onde empostar, onde por vibrato, onde respirar, bom, pelo menos nessa música.

A única coisa que as vezes eu percebo, é que ele deveria explorar mais a melodia das músicas, pois de vez em quando, dá a impressão que sua linha de canto (melodia) é muito simples, não que eu não goste de coisa simples, é que seu timbre vocal iria valorizar muito mais se ele usasse mais sua região grave de voz, sua voz ia parecer milhões de vezes maior e mais extensa, e com certeza suas performances iriam melhor cem por cento, e claro, nós é que ganharíamos com tudo isso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quem sou eu

Minha foto

Nasci em Parintins no Amazonas. Vivi no meio da mata onde enfrentei todos os perigos que pessoas  da cidade nem imaginam que existe. Aprendi tarrafiar. Pescar piranha preta e vermelha. Vi meu cachorro ser despedaçado em três pedaços por um tamanduá bandeira de três metros de altura. Cacei veado vermelho e roxo. Tirei jacaré açú da malhadeira. Arranquei tatu do buraco. Arranquei mandioca grande da terra sem quebrar. Cacei cutia. Paca. Comi macaco prego. Onça. Quati. Porco espinho. Fiquei encurralada por um bando de queixada. Comi papagaio em tempo de fome. Peguei juruti na arapuca feita de pau. Tomei água de cipó d'água. Apanhei com pedaço de lenha do fogão de barro. Roubei ovo de inambú açú. Peguei mauari na malhadeira de mica. Mergulhão. Garça branca e morena. Andei sobre o matupá. Vi anhingal andar no rio. Fugi de caba tatu. Levei ferrada de caba de igreja. Fui mordida por piranha vermelha que levou um pedaço do meu dedo. Consegui fugir e me tornar uma das melhores professoras de canto do país. E outras coisas que só caboclo sabe...

Follow by Email